Um desconhecido soldado de Cristo

Um desconhecido soldado de Cristo

Escrito por: Barry Couts | Localizar: Urbana, Ohio, EE.UU. | Publicado: terça-feira, 25 de junho de 2013

Os dias «confortáveis» da minha mãe teve um abrupto final quando meu pai faleceu, em um trágico acidente de automóvel. Mesmo com as situações ela permaneceu fiel e tem levado as adversidades como uma verdadeira soldada de cristo.

Na maioria dos países se constrói monumentos aos soldados que morreram na guerra. Frequentemente esses monumentos são para honrar o sacríficios «desconhecidos» de alguns soldados.
Os cristãos também são soldados de guerra, que lutam contra o pecado e o satanas. Muitos vivem uma vida tranquila e inadvertida. Esse artigo foi escrito para honrar um desses soldados desconhecidos,minha mãe, a senhora  Mozelle Couts, a qual ainda vive. Através das situações indescritivelmente difíceis  permaneceu fiel, e tem levado a adversidade como uma verdadeira soldada de Jesus Cristo. (2 Timóteo 2, 1-4.)

Uma Cristã com nobreza

Meu nome é Barry Couts, vivo en Urbana, Ohio, e sou um membro de Brunstad a igreja Cristã em Ohio. Sou afroamericano – meus  antepasados foram trasportados  desde a África à América para servir como escravos. Na escala da sociedade estávamos no padrão mais alto, porém minha mãe que, escrevo hoje era uma cristã com uma tal nobreza que não se pode imaginar.

Na escala da sociedade estávamos no padrão mais alto.

Minha mãe nasceu em  1923, em Bellefontaine, Ohio. Teve doze irmãos, quatro irmãos e oito irmãs, e ela estava entre o meio dos irmãos. Minha mãe não teve nem uma formação formal. Deixou de estudar no oitavo ano para trabalhar e poder ajudar seus pais a manter a família. Meu pai, Edward Harris Couts, casou-se com minha mãe antes do início da guerra da Corea. Pouco tempo depois de casados meu pai se alistou na infantaria do exército de EE.UU., e foi soldado de guerra da Corea. Lembro da minha mãe contando histórias sobre as cartas que ele costumava enviar enquanto estava indo para Corea.

Meu pai era tipógrafo de profissão,e tinha uma pequena empresa atrás da nossa casa. Minha mãe costumava ajudar a fazer cartões de visitas e anuncios da igreja, etc. Não eram ricos, mas podiam viver uma vida confortável. Um dia , em  1956 esses dias «confortáveis» da minha mãe tiveram um abrupto final, quando meu pai faleceu em um trágico acidente de automóvel. Minha mãe estava grávida de 3 meses de mim, quando meu pai faleceu. 

Plena confiança em Deus

A verdadeira vida cristã da minha mãe, se fez evidente na maneira que ela aceitou suas provas, comouma viuva  afroamericana sem estudos, com muitos problemas, mas que mesmo assim teve perseverança em sua fé, nas situações mais duras de sua vida. Minha mãe era uma cristã profundamente dedicada; com plena confiança em Deus, que  alimenta os pardais e veste os lírios. Ela foi uma mulher de oração, que colocou todas as sua necessidades nas mãos de Deus.

Minha mãe confiava plenamente em Deus, que alimenta os pardais e veste o lírios.

En la década de 1970 hubo un avivamiento entre los hermanos de Urbana, Ohio, donde di mi vida a Dios y me convertí en un discípulo de Jesucristo. En una prédica de uno de los líderes de Brunstad la Iglesia Cristiana (BCC) fuimos presentados a una vida más profunda en Dios, y mi madre y yo hemos encontrado nuestro hogar aquí.  

Después de la muerte de mi padre, mi madre ha experimentado Salmos 68, 5 personalmente – Dios es realmente el Padre de huérfanos y defensor de viudas, es Dios en su santa morada. Durante toda nuestra niñez y adolescencia también hemos experimentado las palabras del salmista David: los justos jamás fracasan, y jamás tuvimos que mendigar por comida. Después que mi padre murió mi madre trabajó muy duro, pero con gozo y sin descanso, para que sus hijos tuvieran todo lo que necesitaban, incluyendo una buena educación. Dios proveyó el trabajo; un día podía estar trabajando para dueños de negocios prominentes en Urbana, Ohio, donde cuidaba niños, realizaba tareas de limpieza, lavandería y planchado. O bien, un día podía estar en una empresa de cáterin que suministra comida para fiesta y reuniones, y madre trabajar allí sirviendo la comida. Era un lujo extra cuando ella traía las sobras a casa, por ejemplos embutidos de buena calidad o mariscos.  

Una bendecida pacificadora

Mi madre con frecuencia y en forma espontánea alababa a Dios. Las palabras «Gracias, Jesús» salían de sus labios en su vida cotidiana. Vivía su vida como una bendecida pacificadora, y nos inculcaba el temor y ser asidos a Dios, y un respeto a los demás.

Las palabras «Gracias, Jesús» salían de sus labios en su vida cotidiana

En el 2006, a los 83 años de edad, le apareció un coágulo de sangre en la pierna. Esto causó una herida incurable, por lo que los médicos tuvieron que amputarle la pierna derecha sobre la rodilla. Hoy día tiene casi 90 años. Vive sola en la casa que nos crió, con una ayuda mínima. Su rostro irradia el profundo agradecimiento y la gloriosa vida de Jesús. (2 Corintios 4, 10-11.)

Jamás, ni siquiera como una rara excepción, he escuchado a mi madre quejarse. Su vida a manifestado lo que dice 1 Tesalonicenses 5, 18, «Dad gracias en todo, porque esta es la voluntad de Dios para con vosotros en Cristo Jesús.»

Pablo en sus últimos días dio uno de los testimonios más audaces, potentes y reveladores de su vida: «Desecha las fábulas profanas y de viejas. Ejercítate para la piedad; porque el ejercicio corporal para poco es provechoso, pero la piedad para todo aprovecha, pues tiene promesa de esta vida presente, y de la venidera.» 2 Timoteo 4, 7-8. ¡Este también es el testimonio de mi madre. Que cada soldado de Cristo viva esta vida para que pueda testificar lo mismo!