Uma inquietação que não deixou mais ele

Uma inquietação que não deixou mais ele

Escrito por: Redaktion | Publicado: sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Ele não se destaca particularmente na multidão. Talvez o mais marcante nele seja a combinação de careca e barba. Mas de resto – trinta e tantos anos de primeira impressão. E mesmo assim ele tem algo de especial: sua história.

Simon aos vinte anos era um homem jovem com interesses e talentos como muitos da sua idade.

Ele era adorado por seus colegas. E tinha uma boa família - um círculo de amigos que davam suporte a ele. A vida era interessante para ele. Ele tinha sucesso. Ele  foi representante da Associação Estudantil, e participou de uma mudança no programa de graduação na universidade onde estudou.
Ao mesmo tempo ele foi ativo na federação de esportes organizando eventos esportivos, para crianças e formação para chefes de esporte de jovens, juntamente com seu time.
E ele parou de fumar facilmente. De hoje para amanhã passou de 20 para nenhum cigarro por dia. Isso o deixava bastante orgulhoso.

„Eu me esforçava com seriedade, mas sempre tornava a cair“

Vez por outra quando ele passava correndo pela mata, aos domingos pela manhã, e deixava passar a festa da noite anterior pelos pensamentos, estes passavam como raio pela sua cabeça, como: “Isso foi tudo?”, ou: “Você ainda vai ter tanta diversão numa festa dessas daqui a cinco ou quinze anos, ou você vai precisar de tanto álcool então para poder se divertir?”
Mas esses pensamentos passavam rapidamente e ele se concentrava no próximo evento, que seria organizado em algumas semanas. O plando de tempo tinha que ser formulado, para que o programa para as 600 - 700 crianças fosse correr de maneira a não ter conflitos, para que as disputas individuais, as disputas coletivas....
„Assim estava ocupado e eu amava minha vida“, ele diz fazendo retrospectiva.

Estamos sentados em um café. A honestidade e sinceridade com a qual Simon conta da sua vida, fazem com que seja interessante ouvir ele. Ele não enfeita, ele fala assim como é e como foi. 

Hoje Simon é outra pessoa. Não menos ativo, mas agora focado no seu objetivo na vida. Mas onde e o que foi o ponto de mudança na sua vida?

Ele pensa. „Vieram tempos nos quais as coisas não estavam tão bem nos estudos. Eu me empenhava mais neles, então. Mas mesmo assim as coisas não estavam bem. Eu tive que repetir de ano. Na segunda tentativa deu certo. Mas já no ano seguinte eu estava atrasado outra vez. Eu me esforçava muito, mas mesmo assim as coisas pioravam. Assim me afundei cada vez mais nas minhas atividades esportivas. Lá eu tinha êxito, lá eu era amado, lá eu podia fazer algo.“

Mas cada vez mais esses pensamentos ocupavam ele: „Isso foi tudo?“, „O que vai fazer em cinco ou quinze anos?“
E agora também estes pensamento não podiam ser eliminados.

"Agora a vida ainda estava em ordem…“

Ele começou a ler livros, na esperança de receber uma instrução. Livros de filosofia, livros de sucesso, livros de auto ajuda. Ele visitou seminários, conheceu muitas diferentes pessoas. Ele estava na procura. Na procura por um sentido, por conteúdo, por uma direção.

„Faça um desenho, de como quer que tua vida se pareça um dia!“ „Quando tiver 75 anos de idade, o que você gostaria de contar para teus amigos e para tua família?  Do que você quer ter orgulho?“ „Se um dia tiver um filho, quais os valores que você gostaria de dar como exemplo para ele?“
Com estas perguntas ele tentou trabalhar um retrato de sua vida.
Naturalmente tembém estava uma casa bonita nesses planos, mas muito mais valoroso para ele foi o desenvolvimento da sua personalidade. Honesto, honesto, agradecido e respeitoso.

„Mas quando eu pensava na minha vida, tinha uma diferença crescente dela com meus planos e visão. Agora a vida ainda estava em ordem, mas continuar nisso ainda?“

Quase desanimado

Mais tarde ele trabalhou por pouco tempo em um asilo. Ali ele percebeu diferenças grandes entre cada um dos idosos: „Alguns estavam agradecidos, amáveis, e relacionáveis, embora sofressem de moléstias em decorrência da idade. Outros eram indelicados e aborrecidos, embora tivessem relativamente boas condições.“ Isso deixou ele profundamente impressionado.

„Quando uma mulher muito conhecida teve uma doença incurável, tive que pensar muito e eu me perguntei: Quanto tempo eu ainda tenho? O que conta realmente na vida?“
Novamente lhe sobreveio essa inquietação. Algo do que não consegui me livrar mais.

Nesse tempo de crescente desamparo seus pensamentos voltaram para sua infância. Seus pais não estavam sempre cheio de confiança, apesar das situações difíceis vividas na época? Isso seria algo para ele?

Mas isso era tão desconhecido. Totalmente contra toda lógica.
Mesmo assim isso não deixou mais ele. E quando ele seguia esses pensamentos, a sua inquietação estava como apagada.
Mas não podia ser!  Seu entorno nunca poderia entender isso. E isso ele não queria colocar em risco de maneira alguma.

Faltava algo, tudo era tão vazio.

E assim ele procurava a conversa com seus amigos. Ele queria saber o que eles pensavam sobre o sentido da vida. Quais os planos de futuro dos mesmos. Mas isso não ajudava ele. Esses planos chegavam apenas até as férias de verão ou até a formatura. “O que  você tem? Você está bem“, foram a maioria das reações.

Assim ele começou a se sentir inquieto também quando estava junto com seus amigos. Ele não conseguia mais rir bem com as piadas deles. Faltava algo, tudo era tão vazio.

Esse vai e volta, esse vazio e desamparo, se tornaram tão grandes que estava desanimado da vida. Assim ele não queria viver, mais.

„Uma grande alegria, novo ânimo e confiança….“

„Um versículo bíblico do meu pai tinham se gravado nos meus pensamentos:
‚..a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver.‘ (Hebreus 13,7). Nesses „crítérios“ estavam todas as minhas abordagens e exemplos anteriores. Mas na minha infância eu tinha vivenciado com pessoas que viveram esses valores pelos quais eu estava procurando. E lá, nessa angústia estava claro diante dos meus olhos“, conta Simon: „Dê tua vida a Deus, ali encontras a solução!“ 

Esse pensamento deu descanso e esperança a ele. Ele decidiu pedir perdão a Deus e entregar sua vida a ele.

...quando dúvida e desânimo vinham, eu estava feliz que eu tinha me decidido completamente e consciente!“

„Eu sentia claramente que eu tinha que me converter – embora não tenha vivido uma vida ruim, humanamente falando. Mas ali tinha todas as maneiras de pensar e costumes que não se adequavam a minha nova vida. Depois da minha conversão, rapidamente senti de maneira rara, um alívio, embora ainda não tinha mudado nada. Uma grande alegria, novo ânimo de vida e a confiança, que minha vida poderia ficar boa. Essa esperança não perdi mais depois disso. Nisso eu me segurei. Sim, segurei firme, quando eu quase quiz desistir outra vez.“ 

Esse sentimento pode-se notar nele. Um pouco mais sério ele acrescenta: „Eu recebi o perdão mas também experimentei o que está escrito em Gálatas 6,7. Eu tive que colher o que eu tinha semeado. Meu velho homem não tinha simplesmente sumido, apesar de ter mudado o meu sentido. Eu tive que lutar muito, e quando dúvida e desânimo vinham, eu estava feliz que eu tinha me decidido completamente e consciente!“

Seus amigos tinham pouco entendimento para sua mudança. Alguns chegaram a dizer que agora ele não estava mais tão inquieto. Mas interesses coletivos tinham diminuído. E assim ele passava sempre menos tempo com eles. „Eu sentia que necessitava de suporte de pessoas com o mesmo sentimento, para o novo curso, que eu havia tomado agora. Esse suporte eu encontrei aqui na igreja.“

Uma perspectiva eterna

Com a ajuda de Deus e com muitos conselhos animadores de pessoas que como ele queriam viver uma vida com Deus, Simon teve êxito em deixar muitos velhos costumos.

„Cada vez mais eu recebia pensamentos para o bem. Eu vi a luz no fim do túnel. Eu me ocupava em ajudar outras pessoas e me alegrar quando as coisas iam bem com elas“, conta Simon. „E cada vez mais eu descobria o meu egoísmo, dureza, etc. Isso me deu uma angústia e uma atitude interior na qual Deus podia me ajudar e continua me ajudando.“

Ele ainda não chegou no fim, diz ele. Esse processo de purificação dura uma vida inteira. Simon aparenta feliz e equilibrado. Ele sabe onde quer chegar. E isso dá a ele uma alegria de viver imensa.

"Eu agradeço muito a Deus que ele não tem me deixado em paz."

„A alegria aumenta sempre mais. Minha vida tem um sentido, que vai mais adiante. Uma perspectiva eterna. Hoje posso dizer de todo coração: Essa foi a melhor decisão da minha vida. Eu me decidi conscientemente, eu lutei por isso, e agora já tenho recebido uma recompensa rica!“  Ele faz uma curta pausa e diz: „Eu agradeço muito a Deus que ele não tem me deixado em paz."