A descristianização do cristianismo

A descristianização do cristianismo

Escrito por: Arild Tombre | Publicado: terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Se consideramos a sociedade atual, então não é difícil de determinar que a mesma está em um processo de descristianização, e isso em um tempo crescente. O que mais entristece em tudo isso é a realidade que a descristianização também ocorre em parte dos cristãos, e isto em extensão tal que a energia radiante deles praticamente se perdeu na sociedade. 

Jesus descreve seus discípulos como a luz do mundo e o sal da terra. Se essa luz e o sal perderem a sua força, então os cristãos também são símbolo da secularização, a descristianização.

A autoridade roubada das escrituras sagradas

Os reformadores anunciavam aquela vez, em seu tempo: „Sola Scriptura“ („A escritura sozinha“), mas as igrejas que se denominam hoje como reformadoras, tem deixado essa fidelidade em relação a palavra de Deus, também em relação as confissões de suas igrejas. A bíblia é de fato denominada „Escritura sagrada“ , para os cristãos contemporaneos ela contudo, não tem mais a autoridade absoluta.

O „Perdão dos pecados“ tem se tornado uma „permissão para pecar“ e a „justificação do pecador arrependido“ se torna uma „justificação para pecar“.

Como precursores desse processo de descristianização os teólogos modernos passaram a roubar a autoridade das escrituras sagradas. O espírito do tempo faz com que os cristãos sofram diariamente uma secularização. O „Perdão dos pecados“ tem se tornado uma „permissão para pecar“ e a „justificação do pecador arrependido“ se torna uma „justificação para pecar“.

Obediência da fé

O apóstolo Paulo escreve no primeiro capítulo da carta aos Romanos, que o alvo de seu apostolado era edificar entre todos os povos gentios a obeciência da fé, para com isso honrar o nome de Deus. (Romanos 1,5). No final da mesma carta ele escreve mais uma vez sobre a „Obediência á fé“.
É incrível em que grande extensão essa anunciação tem se perdido nas igrejas e casas de cultos. Não se ouve nada de „discipulado“ e „obediência a fé“. Mas só os obedientes são verdadeiramente fiéis. E apenas discípulos (aprendizes) vivenciam isso o que Paulo expressa: „Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo,“. Efésios 4,15.

Uma mensagem para os jovens?

Nas igrejas e casas de cultos teme-se a perda dos jovens, e esta é a razão pela qual o espírito do tempo tem obtido tanto poder nestes locais.
Mas nós temos experimentado que justamente a anunciação da obeciência da fé tem entusiasmado pessoas jovens, que passaram a ser  „discípulos“. „A palavra da cruz é um poder de Deus“, escreve Paulo em 1. Coríntios 1,18. Por isso ele temia de anunciar o evangelho de uma maneira tal que a cruz de Cristo viesse a perder sua força (veja também versículo 17). Em gálatas 2,20 vemos um bom exemplo de como Paulo anuciava a palavra da cruz: „Não vivo mais eu, mas Cristo vive em mim“. As igrejas e casas de cultos que perderam a palavra da cruz, também perdem os seus jovens ou eles precisam experimentar como as gerações futuras secularizam, distanciando-se da vida em Deus.
 

As igrejas e casas de cultos que perderam a palavra da cruz, também perdem os seus jovens ou eles precisam experimentar como as gerações futuras secularizam, distanciando-se da vida em Deus..

Que cada leitor venha tomar em seu coração a exortação do apóstolo Paulo de Romanos 12,2: „E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus“.

O bem. O que agrada a Deus. O perfeito. Com um desejo e oração do coração desses, uma alma de discípulo se encontra em um desenvolvimento totalmente contrário á secularização progressiva.