Discípulos - Novos e velhos

Discípulos - Novos e velhos

Escrito por: Trond Eivind Johnsen | Localizar: Drammen, Norge | Publicado: quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Quais os requisitos necessários, para que tanto novos quanto velhos, estejam satisfeitos no mesmo local, na vida da igreja?
 

Em „O caminho da cruz“  Oddvar Johansen escreve um artigo interessante em torno dessa problemática. Leia o artigo de Oddvar Johansens: «Algo para todos».

 

Eu sou um menino (ou homem, como quizer) de 22 anos, e cresci na Brunstad Christian Church. Em outras palavras sou muito novo para responder as perguntas que Johansen faz para seus leitores e para si mesmo, partindo das minhas experiências. Mas gostaria de compartilhar alguns pensamentos com vocês.

Todos domingos, quando tenho a possibilidade, vou ás reuniões dominicais da minha igreja local. Estas reuniões são para toda a igreja, do mais velho, com 86 anos de idade, até o mais novo com algumas semanas de vida. Entre estes extremos encontro muitos velhos, grande quantidade de adultos, muitas crianças, e também os amigos de minha idade. Jóvens cristãos na melhor idade.

Como cristão pessoalmente sincero à Cristo, interessado em seguir a Jesus, recebi e recebo nessas reuniões, a fé, a ajuda e o saber, que eu preciso para poder viver as minhas convicções.

Eu não digo que minha igreja tenha decifrado o código na construção de uma igreja sem um fosso entre as gerações. Também com nós, percebemos as diferenças entre jovens e velhos, e eu creio o mesmo que Johansen escreve, que os mais velhos são aqueles que já ofertaram mais para construir essa igreja multigerações, que vivenciamos hoje. O que faz com que gosto de ofertar o meu, é que os mais velhos vejam o valor que recebem dos jovens. E eu creio, que meus amigos crentes fortificam minhas costas. Se pausamos e refletimos, todos somos muito gratos pelos mais velhos, que oram por nós, compartilham sua sabedoria de vida e nos deixam ver com os próprios olhos, a que vida podemos chegar, se tivermos seguido a Jesus durante toda a vida.

Eu não vou ás reuniões dominicais apenas por necessidade de convívio social. Como cristão pessoalmente sincero à Cristo, interessado em seguir a Jesus, recebi e recebo nessas reuniões, a fé, a ajuda e o saber, que eu preciso para poder viver as minhas convicções. Eu vivencio as reuniões não apenas com bem-aventuranças atraentes e superficiais, porém como encontros „de trabalho“ para e de cristãos sinceros, que amam a Jesus e querem aprender dele. Talvez é o caminhar de cada um individualmente, que faz com que constantemente crescemos juntos, e o fosso entre as gerações é diminuído?

Uma forte vontade própria nunca está satisfeita

Voltando à pergunta: „É possível construir uma igreja na qual todos estão satisfeitos?“ Sim, eu creio nisso! Uma forte vontade própria nunca pode se satisfazer, mas se tomamos para nossos corações a exortação de Paulo em romanos 15, 1-2 , então sem dúvida vivenciamos a alegria e agradecimento e satisfação de um para com os outros.

Mas nós, que somos fortes, devemos suportar as fraquezas dos fracos, e não agradar a nós mesmos. Portanto cada um de nós agrade ao seu próximo no que é bom para .“