Meu esquecimento

Meu esquecimento

Escrito por: Heidi Watz Vedvik | Publicado: terça-feira, 30 de julho de 2013

Quando eu acordo pela manhã, a primeira coisa que eu vejo é minha imagem no espelho. Eu reconheço meu rosto detalhadamente, e não posso esquecer, mesmo quando eu fecho os meus olhos, e por uma semana não for ver meu rosto no espelho.

Pouco diferente é com minha vida interior, minha vida de pensamentos, e minha relação com Deus nas circunstâncias diárias. Quando estou na reunião e ouço a palavra de Deus, eu vejo tudo muito claramente. Então presto atenção a pecados os quais não sabia que existiam e sob os quais estou preso. Eu vejo interesses e coisas negativas que precisam desaparecer. Nem sempre é fácil ignorar o problema, mas o que acontece logo quando eu voltar para minha vida diária? Eu já esqueci como me pareço, e já esqueci o que tenho que fazer.

Mas o que acontece logo quando eu voltar para minha vida diária?

Os dias passam com a mesma rotina no mesmo ambiente. Eu reprimo os problemas, eu postergo eles e penso em retomá-los mais tarde. Mas pouco a pouco perco o enfoque - eles se tornam mais simples e menos importantes e ao final são esquecidos. Porque é tão difícil lembrar? Como é possível que aquilo que ardia tão forte em meu coração simplesmente se apaga?

Para ouvir, mas não para fazer

Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural;
Porque se contempla a si mesmo, e vai-se, e logo se esquece de como era
.“
Tiago 4,23+24

Isso acontece repetidamente, e isso é um problema; eu espero e esqueço de fazer algo com minhas fraquezas, depois das mesmas terem se tornado conscientes. Então eu sou um „ouvinte“ da palavras e não um „cumpridor“. Não acontece desenvolvimento. Deus quer que aconteça uma transformação em mim, para que eu possa viver uma vida igual a Jesus. Isso eu impeço quando esquece de ter diante dos meus olhos! Algo tão importante - e eu esqueço! Eu esqueço como pareço!

Eu procurei a sabedoria em Deus e pensei de antemão, para que esteja preparado e armado para vencer na tentação.

Para que isso não aconteça – para que o fogo não apague no coração-  eu tenho que fazer algo. Para que Deus possa me ajudar, tenho que fazer mais do que apenas ouvir e então esquecer. O tempo todo eu tenho que ser receptivo para Deus e ter o alvo diante dos olhos, e não pensar em tantas outras coisas. Se eu tomo a decisão verdadeira por algo, então não se tornará fácil de ter isso diante dos olhos nas minhas situações diárias?

Estar preparado

Ler, anotar algo, ouvir música, falar com alguém – sim, o que for fazer –, para que a possibilidade de vitória não passe despercebida. Quando a prova vêm, eu estou preparado. Então eu lembro que devo ter vitória exatamente sobre esse pecado. Eu procurei a sabedoria em Deus, e pensei nela de antemão, a fim de estar preparado e equipado para vencer na tentação. É difícil vencer, mas por viver consciente e ter isso diantes dos olhos, eu peço a Deus por ajuda. Eu recebo força para lidar contra a minha natureza.

Da mesma maneira que me contemplo no espelho, posso examinar a minha vida interior.

Se trata de estar todo o tempo consciente em relação de como está meu interior, ao invés de andar por aí em desatenção e esquecimento. Da mesma maneira que me contemplo no espelho, posso examinar a minha vida interior – eu deixo o Espírito Santo me mostrar os lados ruins dos quais eu quero ser liberto. Da mesma maneira que eu lavo um rosto sujo, eu quero purificar os meus pensamentos e meu sentir. Da mesma maneira que lembro da minha visão espelhada do exterior, também não devo esquecer o que tenho visto no meu interior. Procurar a verdade, pensar nela e fazer algo com ela!

A luz ainda está convosco por um pouco de tempo. Andai enquanto tendes luz, para que as trevas não vos apanhem; pois quem anda nas trevas não sabe para onde vai. João 12,35