Quanto custa ser um discípulo de Jesus?

Quanto custa ser um discípulo de Jesus?

Escrito por: Johan Oscar Smith | Publicado: terça-feira, 18 de outubro de 2016

«Se alguém vem a mim e não odeia seu pai e mãe e esposa e filhos e irmãos e irmãs, sim, e sua própria vida, não pode ser meu discípulo.» Lucas 14,26.

Nota: não pode ser meu discípulo. Se alguém vem a mim. Assim, é possível chegar até ele sem ser seu discípulo. É possível ter os seus pecados perdoados sem vencer o pecado, e aquí se trata da maioria dos cristãos. Mas Jesus não pecou. Ninguém poderia convencê-lo de alguma piedade. Mas é uma questão fácil de convencer as pessoas religiosas sobre o pecado. Muitos deles mentem, não pagam as suas dívidas, são altivas, difamam o seu próximo, pressionam, etc. Nenhum deles pode dizer com Paulo: Sede meus imitadores, como eu de Cristo. (1 Coríntios 11,1)

Os discípulos no entanto estabelecem uma meta que é a de seguir seu mestre. Eles são sensíveis a orientação do Espírito, e odeiam todos os conselhos bem-intencionados, mas humanos, de pai, mãe, irmãos, esposa e filhos. Sim, eles também odeiam sua própria vida neste mundo e, portanto, vivem sob um auto-julgamento constantemente. Desta forma vencem o pecado e a Satanás. Eles têm a sorte de preservar-se sempre puros na liberdade de Cristo.

«Quem não carrega sua cruz e não me segue não pode ser meu discípulo.» Lucas 14,27.

Está em cada ser humano, pecar antes do que sofrer. Quando durante a sua caminhada de vida fez algo errado, então é mais fácil usar a chamada "mentira por necessidade" para salvar sua honra. Mas a questão é que nós não temos nenhuma honra ao usar a "mentira por necessidade", porque ao que cre, pertence a honra. E nós cremos em nossos corações que devemos falar a verdade cada um com o nosso próximo. Se seguimos este caminho da obediência da fé, tomamos nossa cruz e tornamos-nos um discípulo de Jesus.
Isso se aplica ao nosso relacionamento com todo o pecado, e sem estas condições radicais, não podemos derrotar o pecado e ser seu discípulo.

«Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se senta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem com que a acabar? Caso contrário, você pode achar que ele lançou as bases, mas não é capaz de terminar. Então, todos os que a virem comecem a zombar dele, dizendo: Este homem começou a construir, mas não foi capaz de terminar!» Lucas 14:28-30.

Assim acontece com milhares de cristãos. Eles começaram no Espírito e terminam na carne. Começaram por confessar Cristo e regozijam-se em reuniões de avivamento, mas assim que eles saem a vida diária, seus companheiros percebem que fazem uso da mentira, calúnia, furtos etc., E eles dizem entre si: Ele vai ser um cristão, e acabam insultando-o. Este homem não havia calculado os custos e, claro, não foi discípulo de Jesus Cristo.

«Ou entrará um rei em guerra contra outro rei sem primeiro sentar e considerar se é possível com dez mil homens enfrentar aquele que vem contra ele com vinte mil? Mas se ele não pode, enviará homens e embaixadores, e pedirá condições de paz, enquanto o outro ainda está longe.» Lucas 14:31-32.

O cristianismo é guerra. Deve-se sentar e calcular se com dez mil homens pode-se superar o rei que vem contra um com vinte mil. Se alguém descobre no cálculo de que não encontra-se capaz de prevalecer, em seguida, envia um embaixador e contrata a paz. Esta é uma paz estranha. Não foi uma tal paz que Jesus veio para dar aos Seus discípulos; pois ele derrotou o pecado sozinho, e a Satanás e todos os espíritos malignos nos lugares celestiais. Ele pisou o lagar sozinho e ninguém estava com ele. (Isaias 63,3-4)

Dessa maneira ninguém pode ser seu discípulo, sem que não dá tudo o que tem. Em Hebreus 10.34 está escrito: «Porque também vos compadecestes dos que estavam nas prisões, e com gozo permitistes a espoliação dos vossos bens, sabendo que em vós mesmos tendes nos céus uma possessão melhor e permanente.»

É possível chegar a Jesus para se livrar da carga de pecado; é confortável. Mas dos discípulos se exige consideravelmente mais. Eles devem entregar tudo o que é próprio. Isso não significa que você deve espalhar tudo o que possui de leste a oeste; mas sim que tudo o que você possui estará disponível para o que o espírito opera e pede, de modo que nada nos encontra em forma incalculável. Podemos, então, como mencionado em Hebreus 10,34 com alegria encontrar-nos com o fato dos nossos pertences serem roubados.

Quando tivermos feito todos esses cálculos e descobrimos que é possível passar na prova, então somos verdadeiramente discípulo de Jesus Cristo.

 

Artigo publicado nteriormente na revista de BCC «Skjulte Skatter» com o título «Discípulo» em fevereiro 1942.
© Copyright Stiftelsen Skjulte Skatters Forlag