Sai dela, povo meu

Sai dela, povo meu

Escrito por: Richard Savage | Publicado: terça-feira, 8 de dezembro de 2015

„„E ouvi outra voz do céu que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas. Porque já os seus pecados se acumularam até o céu, e Deus se lembrou das iniqüidades dela. Eu me pergunto, quantas pessoas, que leram estas palavras, pensaram o que elas significam verdadeiramente. O significativo nisto é que, a voz vinha do céu, e está direcionada aqueles que Jesus chamou „seu povo“. Quem é „seu povo“? E o que é „Babilônia“?

Paulo profetizou para Timóteo que virão dias terríveis, e sob o cristianismo o povo será, „amantes de si mesmo, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanes, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. " (2 Timóteo 3,1- 5). 

 

 Amizade com o mundo é inimizade com Deus

A falta de fidelidade – não deixar de suas concupiscências pecaminosas, mas mesmo assim querer ter Cristo como expectador dos seus pecados – é descrito por Paulo e Tiago como „prostituição” ou adultério espiritual. João escreve claramente que a amizade com o mundo (Desejo da carne, desejo dos olhos, e orgulho daquilo que se tem, ou é) é inimizade com Deus. O que Deus denomina a grande Babilônia, a mãe da prostituição e todas as coisas horríveis desse mundo, é uma organização religiosa que cavalga nas costas de uma besta – um mundo que está debaixo do poder de Satanás. Durante séculos a besta apoiou uma forma de cristianismo, na qual o indivíduo nunca é conduzido a uma vida de vitória. Mas ligou as pessoas a uma forma de doutrina humana, autoridade religiosa e uma aparência de temor á Deus, a qual nega o poder que se recebe, quando vivemos uma vida crucificada.

Não vemos cada vez, com mais clareza, que esse falso cristianismo segue o caminho da besta, ao invés de amar a Deus e cumprir suas leis? Que tolera a imoralidade de besta, ao invés de trabalhar contra? Nós sabemos que, nem todos que chamam Jesus como „Senhor“ , fazem parte do reino dos céus, mas aqueles que fazem a vontade do pai. (Mateus 7, 21-23). Aqueles que crucificaram suas paixões e concupiscências, esses são de Cristo (Gálatas 5, 24). Eles odeiam o pecado e tem anseio por uma vida em vitória, onde podem viver agradáveis a Deus em todas as maneiras.

Essas pessoas não têm paz em um „Sistema de prostiuição “. Nos últimos dias Deus abre os olhos das pessoas a fim de que vejam a corrupção na Babilônia e da besta. Alguns procuram, com boas intenções, reformar seu ramo no cristianismo, ouvindo a Deus ao invés dos homens, cumprindo suas palavras, da mesma maneira como alguns velhos reformadores fizeram. Eles experimentam o mesmo do espírito da prostituta, como o povo de Deus em gerações anteriores. Eles forom calados, ou expulsados. A prostituta não é curável.

Das Wort vom Himmel ist ”Gehet aus von ihr, mein Volk.“ Aber wohin sollen sie gehen?

Mas para onde devemos ir? „Saiamos pois a ele fora do arraial, levando o seu vitupério“ (Hebreus 13,13). O que aconteceu com Jesus „fora do arraial“, longe de todas as expectativas humanas? Ele foi crucificado. Fora do arraial estão aqueles que crêem estarem crucificados com Jesus. Eles não estão conformados com o fato de Cristo ter sido crucificado por eles, podendo aniquilar seus pecados através da sua morte, porém tem um desejo, em receber vitória sobre o pecado e governar com ele – agora e em toda a eternidade. Ao invés de viver e se manter em uma forma de „Cristianismo“, sem deixar dos desejos pecaminosos, eles crucificaram a carne com as paixões e concupiscências.


„E ele morreu por todos, para os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou.“ (2. Coríntios 5, 15). Mesmo tendo morrido pelos pecados de todo o mundo, apenas aqueles que se convertem em verdade, são profundamente abradecidos pela graça de Deus. Eles bedauern suas próprias faltas e não recebem seu alimento de uma mensagem que não tem mais a oferecer do que perdão dos pecados. A prostituta anuncia terrivelmente até o perdão sem a conversão, e até deixa o povo continuar a viver em pecado, com uma falsa esperança de ir pro céu.
 

 

”O qual se deu a si mesmo por nós, para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras.” (Tito 2, 14)


Deus mesmo ajunta todos, que querem levar uma vida crucificada, para um corpo. Eles são fiéis em relação a Jesus, seu noivo celestial, se tornam sua noiva, uma propriedade valorosa, para a qual ele deu sua vida. (Apocalipse 19, 7 e 21, 1-27).
 

Seu desejo é ter vitória sobre o pecado e governar com ele em eternidade.