Salvo pela graça ou pelas obras?

Salvo pela graça ou pelas obras?

Escrito por: Tom Harris | Publicado: segunda-feira, 2 de maio de 2011

„Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie.“ Efésios 2,8-9

Graça para o perdão

Nós podemos ver isto em conjunto com o malfeitor que morreu na cruz, juntamente com Jesus. Ele se voltou a Jesus, e o Jesus o recebeu e disse: „Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso“. Lucas 23,43. Seus pecados lhe foram perdoados, e ele entrou no Paraíso com Jesus. Ele recebeu perdão dos pecados através da graça, embora não tenha feito obras, das quais pudesse se orgulhar.

Mas ser salvo é mais do que perdão dos pecados. Paulo escreve em romanos 5, 10, que depois de sermos reconciliados com Deus, através da morte de seu Filho; seremos salvos pela sua vida. Oque significa ser salvo pela sua vida?

Graça significa força para fazer a vontade de Deus

Depois de havermos recebido o perdão dos pecados, e chegamos á fé em Jesus, estamos em condições de receber o seu Espírito. Isso significa que recebemos força (Graça), que precisamos para fazer a vontade de Deus, como Jesus fez. Nós devemos renunciar nossa própria vontade segunda a carne. Se fizermos isto, perdemos a nossa vida na carne, mas ganhamos uma vida em Espírito. Isso é como Jesus fala em Lucas 9,23-24: „E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Porque, qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida, a salvará..“

Dessa maneira acontece uma transformação. Nossa arrogância se torna humildade, nossa dureza misericórdia, nossa impaciência paciência, etc. Nossas próprias obras passam a ser iniciadas por obras de Deus. Isso é maid do que apenas perdão dos pecados. Nós vemos, que através de fazer a vontade de Deus, recebemos parte nessa salvação „muito maior“.
 

Nossa arrogância se torna humildade, nossa dureza misericórdia, nossa impaciência paciência…


 

Nossa salvação da alma

Se recebemos perdão dos pecados, nosso espírito está salvo – isto é o começo da nossa fé. Mas Pedro escreve sobre o fim da nossa fé, a salvação da nossa alma. Por esta salvação os profetas já pediam, quando eles profetizavam da graça que nos deveria ser dada.
A graça, que nos torna possível tomar parte nos sofrimentos de Jesus, e receber parte na glória que é conseqüencia – uma vida nova celestial! 1 Pedro 9-11. Esses são os sofrimentos que Jesus viveu, ao humilhar-se todos os dias e tomando a cruz sobre si. E agora que recebemos o seu Espírito, temos a graça sobre nós, a seguí-lo nos mesmos sofrimentos, e também chegar a mesma glória.


Nosso querer humano está transplantado na nossa alma, e é a fonte das contendas e todos conflitos. Nossa alma é salva através de seguir a Jesus e perder a nossa própria vida (nosso próprio querer) assim que recebemos parte em uma vida nova e celestial, a qual está em condições de fazer as obras de Deus, estando em harmonia com a boa, perfeita e aceitável vontade de Deus.
 

Graça, que requer participação ativa

Vemos então que esta „muito maior“- salvação também significa, que somos salvos através da graça, porém é uma graça que requer a nossa particpação ativa. Embora cristãos tenham recebido o Espírito, e são muito diligentes quando se trata das coisas exteriores, ainda assim não é incomum essas falas; „Não há nada que possamos fazer“ quando se trata de vitória sobre o pecado e por uma nova vida. Eles se confortam com o fato de sermos salvos pela graça, e não pelas obras. Mas Jesus diz, „porque sem mim nada podeis fazer.“. João 15,5.

 

Podemos nos negar a nós mesmos, e tomar a nossa cruz todo o dia sobre nós.

Quando recebemos o Espírito de Jesus, é possível para nós, seguí-lo. Se é isto que queremos, então podemos nos negar a nós mesmos, e tomar a nossa cruz todo o dia sobre nós e seguí-lo e fazer a vontade de Deus. Dessa forma podemos receber parte na glória de Jesus Cristo. 2 Tess. 2,14.
 

Então não temos recebido a graça de Deus em vão. 2. Coríntios 6, 1-2.