Abatimento queria me sobrevir

Abatimento queria me sobrevir

Escrito por: Laura Kloosterman | Publicado: terça-feira, 11 de junho de 2013

Ainda posso lembrar muito bem sobre o que pensava há alguns anos: „Como eu reagiria se alguém que está próximo a mim falecesse?“

Meu dia começou como qualquer outro. Levantar pela manhã era difícil para mim e eu orei a Deus para que pudesse me dar forças. A manhã ainda não era o período do dia favorito.

Já estava cedo no trabalho. O telefone tocou. Eu estava alarmado logo ao ouvir a voz abafada da minha mãe do outro lado da linha. Eu tinha certeza de que algo não estava certo. Meus pensamentos voavam. Eu gelei ao ouvir a voz dela: „Não consigo acordar teu pai! Ele parece tão calmo…“

Ainda posso me lembrar muito bem sobre o que pensava a alguns anos: „Como eu reagiria se alguém que está próximo a mim falecesse?“ Eu teria um colapso e não seria capaz de suportar isso? Eu pensei em outros que vivenciaram a sua fase de luto, e na dor de perder uma pessoa querida. Na maioria dos casos eles aparentavam estar cercados por um abatimento, por um peso e preocupação que parece não passar.

Eu tinha medo do desconhecido, como seria se fosse acontecer algo assim a mim.

Eu tinha medo do desconhecido, como seria se fosse acontecer algo assim a mim. Ou pior ainda, quem eu  „perderia“? Eu apenas sabia que não queria que o abatimento tomasse conta de mim.

Agora eu estava justamente na mesma situação; o inesperado tinha acontecido. Ao ver meu pai deitado lá, isso pareceu ser definitivo.

A dor de perder alguém tão próximo da gente é definitivo e real. Isso não se pode negar. Se tem a impressão de como se algúem furasse o coração com uma faca. Logo no início até a respiração pode doer. Eu podia sentir o espírito do abatimento que queria me sobrevir, que queria tomar meus pensamentos e meu corpo.

É uma escolha!

Agora já se passou um ano e minha cabeça ainda não pode compreender completamente que meu pai não está mais aqui. Mas esse tempo foi uma batalha que eu venci pela graça e palavra de Deus! Eu posso testificar que o espírito de abatimento não existe mais em minha vida! Porquê? Porque eu entendi que isso é uma decisão. É uma decisão se eu deixo o abatimento entrar no meu coração e destruir a minha vida. Eu posso me decidir por crer na palavra de Deus!

Alguns meses depois da morte de meu pai, minha mãe leu os versículos de Isaías 61,1-3: „O espírito do Senhor DEUS está sobre mim; ... a consolar todos os tristes;
A ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantações do Senhor, para que ele seja glorificado."
 Que mudança de pensamentos! Louvores ao invés de um espírito angustiado! Louvor é algo ativo que me preenche e pode me envolver. Agradecimento pode vir do meu coração e vir sobre meus lábios, ao invés de ter autocompaixão, solidão e um constante sentimento de perda da pessoa falecida.

Depois da morte de meu pai recebi um anseio pela eternidade e um desejo intensivo pelo céu.

Eu louvo a Deus pelo pai que ele me deu, e pelos anos que tivemos juntos! Eu sei com certeza de onde ele está, e as vezes me pergunto de como deve ser lá em cima. O céu me parece muito mais próximo, não mais tão arrepiante ou definitivo. Depois da morte de meu pai recebi um anseio pela eternidade e um desejo intensivo pelo céu. Isso deu a mim um novo sentido para a proximidade do mundo invisível e entendo muito mais do que antes que o tempo é curto.

Ainda posso viver hoje!

Como cristã eu sempre soube que a eternidade e o céu  são algo maravilhoso pelos quais posso me alegrar! Eu também entendi que minha vida aqui na terra decidirá a minha eternidade. Isso me motivou a tomar a decisão correta todos os dias para poder rever o meu pai.

cidirá a minha eternidade. Isso me motivou a tomar a decisão correta todos os dias para poder rever o meu pai.

Mesmo que a separação através da morte não é algo muito agradável para os que ficam, fica a realidade de que a mesma é passageira. E ainda posso viver hoje! Eu tenho uma carreira a percorrer e meu pai iria me encorajar! Não é cheio de significado passar bem o dia que Deus nos deu? A vida é um presente!

Quando volto a pensar no dia da tão temida ligação que recebi da minha mãe, sou lembrado de que tenho a escolha. Eu posso escolher a vida e viver ela completamente. O espírito de abatimento está banido para sempre do meu coração e dos pensamentos!