Deus – meu pai e amigo pessoal

Deus – meu pai e amigo pessoal

Escrito por: E. Wein | Localizar: Deutschland | Publicado: quarta-feira, 16 de maio de 2012

„Sabendo que, se o nosso coração nos condena, maior é Deus do que o nosso coração, e conhece todas as coisas.“ (1.João 3,20)

Esse versículo muitas vezes já foi minha âncora de salvação, quando eu já nem me reconhecia mesma. Sobretudo em tempos de depressão, que passavam por absoluta escuridão e pensamentos e obssessões angustiantes. Tempos que eu gostaria de deixar no passado, para sempre. Mas justamente nesses tempos eu conheci a Deus como meu pai e amigo pessoal. Como amigo que sempre está comigo, e que sempre sabe o que se passa comigo. Deus sabia quais os pensamentos estavam me torturando. Pensamentos que era difícil descrever, porque tinha o medo de chocar outras pessoas com isso - ou até a mim mesma.

„Deus fez com que passei a aceitar ajuda“

„SENHOR, tu me sondaste, e me conheces.Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento..“ (Salmo 139, 1-2)

Essa certeza de que Deus conhece os meus pensamentos, eu experimentei como um tremendo alívio, e através disso recebi uma paz interior. „Tu me cercaste por detrás e por diante….“. Esse versículo trouxe-me ao ler, segurança e aconchego. Parecia como se um bom amigo/amiga estivesse me abraçando. E assim também foi. Eu pude acreditar que Deus me aceita assim como sou. Mas ele também me pegou pela mão, para me tirar da escuridão – passo a passo. Ele fez com que passasse a procurar ajuda e também a aceitar a ajuda de bons amigos, do médico especialista e também dos medicamentos. Através da ajuda de Deus tive consciência que meu mundo de pensamentos deveria ser „organizado“, minha fixação própria. Deus fez com que tivesse desejo de seguir a vida ativamente para a melhora da minha depressão. Da mesma forma que um verdadeiro amigo teria feito. Um amigo que se alegra quando tenho desenvolvimento, e não apenas lamenta quando estou lambendo minhas feridas.

Um amigo que nunca mais me deixa

A princípio, essa história não promete um final feliz típico. Não é assim que as depressões tenham se dissipado no vento. Eu ainda preciso tomar medicamentos, também nos anos vindouros. Eu ainda vou ao psiquiatra trimestralmente, a fim de controlar a doença. De vez em quando ainda tenho algumas baixas.
Mas eu ganhei um amigo, que nunca mais me deixa, que eu sempre posso pedir por conselhos e ajuda, e pelo qual também tenho ganho outros amigos preciosos, em quem posso confiar 100%.
Eu desejo a toda pessoa, de todo coração, que tenha um amigo assim, ou ainda encontre.
Se isso não for um final feliz ……