O amor não se porta com indecência

O amor não se porta com indecência

Escrito por: Laura Kloosterman | Publicado: quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Eu estava sentado no aeroporto esperando com paciência o embarque iniciar para meu vôo. Tudo correu perfeitamente e como planejado. Eu havia me preparado de maneira especial e tinha chegado com bastante antecedência, simplesmente para evitar correria. Eu ouvi quando meu vôo foi anunciado e as pessoas começaram a embarcar.

„Sim!“, pensei comigo mesmo, „tudo está funcionando como um relógio.“ Eu estava a caminho do casamento de uma grande amiga, uma ocasião que já me alegrara faz algum tempo. Meu avião deveria chegar pouco tempo antes do início da cerimônia do casamento. Eu tinha bem pouco tempo de intervalo.

Eu encontrei minha poltrona, fiquei confortável, e percebi como as pessoas estavam tranquilas e satisfeitas á minha volta. A aeromoça deu os avisos habituais e as últimas pessoas ocuparam os seus assentos. Eu comecei a sonhar comigo mesmo, de como seria lindo rever a minha amiga e ainda poder participar do casamento dela …

Eu digo que sou um cristão, e mesmo assim pequenas situações da vida são capazes de me tirar dos trilhos. Coisas desagradáveis dão a mim o direito de perder a calma ou reagir de maneira ruim?

Mas então: „Peço a atenção de vocês! Por motivo de problemas técnicos vamos nos atrasar …“ Não ouvi mais o restante da fala – pânico e raiva começaram a fervilhar dentro de mim. „Por quê tinha que acontecer isso justamente agora? Por quê justamente comigo? Isso é simplesmente ridículo!“ Meus pensamentos estavam tumultuados. Então comecei a conversar com as pessoas ao meu lado. Quando os minutos passaram a ser hora, e então quando passou para a segunda hora, restaram poucos rostos felizes, e lamentavelmente o meu próprio estava fechado. Alguns passaram a xingar os tripulantes, as pessoas agitadas se queixavam muito. No compartimento posterior uma mulher começou a gritar.

Eu sentia minha paciência se esvaindo a medida que estava ciente de que perderia o casamento. Agora iria reclamar. Estava prestes a levantar e dizer minha opinião á algum dos tripulantes, quando pausei e me dei conta das aeromoças indefesas, dando o melhor de si, respondendo as perguntas e tentando manter atitude positiva.

Então pensei nas minhas reações e ficou claro que um espírito de crítica e acusação tinha me aprisionado! Os versículos de 1. Coríntios 13, 5 repentinamente apareceram diante de mim: „O amor não se porta com indecência …“ Essa foi a solução que estava precisando nesse momento! Eu digo que sou um cristão, e mesmo assim pequenas situações da vida são capazes de me tirar dos trilhos. Coisas desagradáveis dão a mim o direito de perder a calma ou reagir de maneira ruim? Não posso me humilhar e reconhecer que Deus sabe exatamente o que faz, e que toda a murmuração não poderiam me levar mais rápido até o casamento?

…tinha algo que eu poderia fazer e isso era, trabalhar com isso de chegar ao descanso, a fim de ajudar a mim e as pessoas a minha volta.

No silêncio, sentada no meu lugar, me arrependi das minhas reações diante de Deus, e escolhi não deixar mais influenciar dessas situações. Eu tinha que levar esses pensamentos irritantes e inquietantes á paz. Minha amiga casaria independente da minha presença, isso era claro. Ficar perturbado não ajudaria em absolutamente nada.

De repente tive a idéia de que poderia fazer algo, a saber, trabalhar com isso de chegar ao descanso, a fim de ajudar a mim e as pessoas a minha volta. Também entendi que tenho que ser vigilante, de que espírito eu deixo me aprisionar nas diferentes situações diárias da vida.

Isso é apenas um pequeno exemplo, mas com situações dessas que temos que tratar no nosso dia a dia. Quanto „o amor de Cristo me constrange“, para que eu me porte em casa, na escola, e no local do trabalho como um mensageiro de Cristo, ao invés de reagir segundo minhas tendências humanas? (2. Coríntios 5, 14-21) Se estou reagindo inadequadamente, então tenho falta de amor. Minha esperança é ser vigilante e atento nessas pequenas provas que eu encontro na vida, para que posso amar as pessoas á minha volta, tornando uma bênção para eles e para mim!

"...Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; …“ 1. Coríntios 13, 5